top of page

“Mãe” mata recém-nascido asfixiado com fita adesiva e joga no lixo

“Mãe” mata recém-nascido asfixiado com fita adesiva e joga no lixo



Criança foi encontrada em lixeira; mãe alegou não querer o filho e é acusada de homicídio qualificado


Um bebê foi encontrado morto, enrolado em uma manta e dentro de um saco de lixo, na tarde de segunda-feira (24), em um conjunto comercial no centro de Canoas, Região Metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.


A mãe da criança foi presa em flagrante pela Polícia Civil, sendo investigada por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.


A Polícia Civil informou que a suspeita, de aproximadamente 40 anos e mãe de outros dois filhos, teria asfixiado a filha com fita adesiva colada entre a boca e o nariz. 


De acordo com o delegado Arthur Reguse, da Delegacia de Homicídios de Canoas, a mulher deu à luz na noite de domingo (23), amamentou a criança e, em seguida, cometeu o crime.


As informações foram divulgadas em coletiva de imprensa na manhã de terça-feira (25).




Na segunda-feira de manhã, a mulher foi ao trabalho levando o corpo do bebê em uma sacola.


Câmeras de segurança registraram o momento em que ela chega ao prédio com a sacola no ombro, entra no banheiro e sai vestindo outra roupa.


A suspeita abandonou o corpo na lixeira do banheiro antes de se deslocar para a cafeteria onde trabalhava.


Seguranças do local encontraram o corpo por volta de 13h e acionaram a Brigada Militar. Inicialmente, acreditava-se tratar de um feto, mas a perícia confirmou que era um bebê completamente formado que chegou a respirar.


O Instituto-Geral de Perícias (IGP) constatou que não se tratava de um aborto.


Após identificar que a mulher trabalhava no prédio e estava grávida, mas apareceu no trabalho sem a barriga, a Polícia Militar a localizou e prendeu em flagrante.


residência da suspeita, foram encontrados lençóis ensanguentados e sinais de sangue pelo chão, detectados com luminol.


A Polícia Civil pediu a prisão preventiva da mulher, que confessou informalmente o crime, alegando não querer a criança e não ter condições de criá-la.


Testemunhas relataram que ela tentava esconder a gravidez com ataduras.


O pai da criança não foi localizado.


O delegado Mário Souza, do Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), destacou que o cenário dos fatos afasta a tese de abalo emocional devido ao estado puerperal, reforçando a decisão de prisão preventiva.


O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) prevê que gestantes ou mães que desejem entregar seus filhos para adoção devem ser encaminhadas à Justiça da Infância e da Juventude.


Desde 2017, o Projeto Entrega Responsável, da Coordenadoria da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (CIJRS), auxilia mulheres nessa situação.


  • NOVIDADES PARA VC:

Siga o nosso canal "Notícias Guariba" no WhatsApp pelo link abaixo:






Comments


bottom of page